• Mário Antonio Marques Fascio

Após anúncio de pautar sabatina de Mendonça, bancada evangélica declara armistício a Davi

Presidente da CCJ anunciou pautar na semana que se anuncia a sabatina de André Mendonça, indicado por Bolsonaro para o SFT.



O anúncio do presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), de pautar para esta nova semana a sabatina de André Mendonça para o Supremo Tribunal Federal (STF), fez com que parlamentares que compõem a chamada ‘bancada evangélica’, além de líderes religiosos, mudarem o tom e discurso em relação ao parlamentar amapaense.

Segundo reportagem da revista Crusoé, os aliados do ex-ministro da Justiça [Mendonça] agora apostam em um armistício para garantir a realização da sessão e, principalmente, a aprovação do candidato defendido por eles.

“Sempre confiamos no senador Davi Alcolumbre porque ele é muito atencioso com as igrejas”, afirma na reportagem o deputado Cezinha de Madureira, do PSD, líder da bancada evangélica na Câmara dos Deputados.

A matéria considera ainda que o ‘afago’ a Davi é uma mudança radical de postura. Evangélicos chegaram a ameaçar boicotar a eleição de Alcolumbre no Amapá.

A reportagem lembram ainda que o André Mendonça é pastor presbiteriano, e que o nome ‘terrivelmente evangélico’ foi escolhido pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, para substituir o ministro Marco Aurélio Mello no Supremo Tribunal Federal.

A mensagem com o nome do ex-ministro da Justiça foi enviada ao Senado no dia 13 de julho, mas permaneceu na fila de espera para sabatina. Segundo Alcolumbre, é prerrogativa do presidente da CCJ pautar o ato, e que todos os trâmites legais foram seguidos para que houvesse o anúncio da sabatina.

O ex- AGU precisa de 41 votos para garantir assento no Supremo, mas segundo integrantes da CCI, o placar ainda é considerado imprevisível.

Com informações da revista Crusoé

5 visualizações0 comentário