• Mário Antonio Marques Fascio

A mulher samaritana


Para compreender a passagem que fala sobre a mulher samaritana, primeiro é preciso entender o contexto do povo de Samaria nos tempos de Cristo.


Aprendemos em muitas pregações e escolas dominicais, que o povo judeu via aquela população como um grupo de pessoas impuras, muito devido à rixa religiosa que existia entre os dois povos. De um lado os judeus e seus costumes, do outro o povo samaritano que se considerava apenas descendente dos antigos israelitas que habitaram a histórica província de Samaria, ou seja, não comungavam dos mesmos costumes do povo da Judéia. Ainda que suas raízes fossem àquela retirada do Egito no êxodo.


A saber, o território de Samaria pertencia ao conjunto das doze tribos de Israel, cuja união fora instituída (como reino) por Saul, durando até a morte de Salomão. A Bíblia diz que após este episódio, com a ascensão de Roboão (neto de Davi), o reino sofre sua fragmentação, tornando-se em dois reinos: O reino de Israel (que abrangia Siquém e Samaria) e o reino de Judá (tendo em seu território a cidade de Jerusalém). Estabelecendo assim o reino do Norte e o reino do Sul.


É importante compreender o conteúdo histórico dessa passagem bíblica, pois havia um porquê para toda aquela rivalidade existente. O descontentamento entre os povos era algo notório, onde conseguimos observar nas entrelinhas dos contos, que tanto um quanto o outro não se reconheciam como o povo escolhido. Havia uma certa disputa a respeito do posto, talvez (?)


Você consegue imaginar os olhos de Deus voltados para essa situação? O que será que passara na cabeça do Deus que falou com os antepassados daqueles dois povos, antes apenas um, no monte Sinai e habitou em tenda, assim como seus filhinhos? Acredito que profunda tristeza, como qualquer pai sentiria face a uma ruptura na relação de dois filhos.


Particularidades do povo Samaritano

· Eles ergueram um templo para o povo;

· Seguiam somente o pentateuco;

· Para eles Moisés fora o único profeta;

· Se isolaram de Israel para se distanciar de Jerusalém;

· Samaria está localizada na região que hoje conhecemos como a Cisjordânia.


Monte Gerizim e os samaritanos


Samaria considerava o monte Gerizim sagrado, fora ali que, segundo relatos históricos, quando regressaram do exílio, construíram o seu templo. Inclusive, modificaram algumas passagens do livro sagrado dos Judeus, adaptando para a sua fé – algo que podemos definir como sincretismo.


De acordo com o historiador Flávio Josefo, o templo foi construído nos tempos de Alexandre, o Grande.


Relação entre os povos no tempo de Jesus


A bíblia e a história nos contam que o povo judeu não passava em território samaritano, e vice-versa. Os judeus, inclusive, quando precisavam ir de um lugar para o outro e tinham em sua frente a cidade de Samaria, preferiam adotar um percurso maior, e consequentemente mais cansativo, apenas para não circular em terras samaritanas e correr o risco de se “contaminar”. Vale ressaltar que não somente os judeus evitavam passar por suas terras, o povo do antigo reino de Israel também fazia de tudo para “barrar” os viajantes judeus. Há relatos históricos que fornecem algumas informações de que extremistas daquela região chegaram a assinar indivíduos do povo de Judá, simplesmente motivados por um ódio culminado à época de Roboão.


Jesus odiou os samaritanos?


Ora, Jesus era judeu, ponto. Então o Messias era mais um a odiar àquelas pessoas e o território samaritano?


Aquele que veio para salvar à terra, estaria condenando um povo sem antes ao menos tenta-los os redimir? Em hipótese alguma!


A bíblia é clara quando demonstra, através dos evangelhos, que Cristo teve compaixão por aquela gente. O mesmo Senhor que veio rasgar o véu da separação dos judeus e gentios, era quem se dispusera a levar consigo a quem fosse que o percebesse e tivesse seu coração contrito.


Observe em João 4:9 a indagação da mulher samaritana ao nosso Senhor: Sendo tu judeu, como pedes de beber a mim, que sou samaritana?


Havia nos lábios daquela mulher uma certa perplexidade. Como assim, você que se vê superior a mim, proferindo palavras em minha direção? Você é um louco!


Não! Antes, Jesus foi o sábio que esteve entre nós para confundir os intelectuais sabidos daquele tempo, e por que não, dos dias contemporâneos? Jesus é fascinante!


Jesus não desvia o caminho


Jesus nos ensina, quando estudamos o evangelho de João, no capítulo 4, que Ele não desvia sua rota em decorrência de um pecado. Ali, claramente Ele estava registrando para a humanidade: “Filhinhos, ainda que pequeis, vós tem salvação de veres em mim a fonte da água da vida!”.


E mais, além de Cristo não desviar o caminho, Ele ainda tem compaixão e bate em nossa porta pedindo-nos água para beber. Ora, como a fonte de águas vivas (João 4:13-14) pode nos pedir de beber?

Claramente Ele dizia àquela mulher: Estou aqui, por você, por vocês!


A mulher samaritana


Era necessário que Jesus passasse por Samaria, rumando para o seu destino, na Galileia. Jesus sentiu sede, parando então em território samaritano, na cidade chamada Sicar, junto da herdade que Jacó tinha dado a seu filho José (João 4:5). Então Ele chega de fronte a fonte de Jacó, assentando-se junto ao local, repousando ao descanso de uma viagem desgastante. A bíblia dá a informação de que era aquela a hora sexta, ou seja, interpretemos como às 18h00 de um longo dia de caminhada debaixo de um sol impiedoso do deserto.


Quantos de nós não nos assentamos para descansar, sem importar o lugar, quando estamos cansados? Será que você pensaria estar em um território hostil? Bom, acho que sim. Por coisas mínimas acabamos não praticando a compaixão por conta de nos acharmos superiores.


Se você respondeu que sim, que pararia, então responda a si mesmo se seria capaz de assentar-se ao lado de um mendigo. Agora que refletiu, sendo sincero consigo mesmo, consegue entender a importância do ato de Jesus naquele momento.


Continuando a leitura da passagem, logo que se sentou, Jesus avistou a mulher samaritana resgatando água do poço e então Ele se dirige a ela: “Dá-me de beber”. (V. 7)


Veja que no verso 8, seus discípulos haviam ido à cidade comprar de comer. Consegue entender a importância do ato? Não foi somente Jesus, seus discípulos também estavam a pisar sobre as terras samaritanas. Quantos deles não haviam sido criados debaixo daquela rixa histórica? Será que foi fácil para cada um daqueles homens passar por Samaria?


Quantos de nós habitamos o reino dos homens cheios de preconceitos e julgamentos ao próximo, não é verdade? A única maneira de conseguirmos nos libertar dessa problemática é andando com Jesus. É somente caminhando ao lado do Mestre que conseguiremos desatar as amarras da fragmentação, do desprendimento e da intolerância. É somente através de um Cristo que nos ensina na prática o que é o amor, que podemos verdadeiramente amar!


A mulher então se surpreende e pergunta como Ele sendo judeu, poderia falar com ela. (V. 9) O mais impactante é a resposta do Senhor: “Se tu conheceres o dom de Deus, e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.”


Acompanhe comigo o que diz os versos 11 e 12 (leia você). Observe o que diz àquela senhora, questionando o Messias.


Ela O questiona se Ele havia de ser maior que Jacó, que os deu aquela fonte, mas sua resposta é o que ainda me impressiona ao ler: “Qualquer que beber desta água tornará a ter sede; mas aquele que beber da água que eu lhe der (in loco – seu sopro de vida) nunca terá sede, porque a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que salte para a vida eterna.”


Jesus estava dando a oportunidade de salvação para aquela mulher, uma mulher pecadora, perdida em sua própria vida.


Jesus não parou ali somente por parar. Jesus sabia quem era aquela mulher e entedia que ela necessitava ouvir tais palavras. E Jesus foi adiante, não somente aquilo que era confortante (falando sobre salvação) como também citou seus erros e suas adorações errôneas. Jesus demonstrou o quanto eles estavam perdidos à mulher: “a salvação vem dos Judeus”. Note, ela vem dos Judeus, não são os Judeus. Noutras palavras Ele dizia: A salvação sou eu, que vim dos Judeus.


Agora, amados, fiquemos com o ensinamento do Cristo que conforta os nossos corações nesse momento. As palavras a seguir nos dá esperanças de um dia estarmos frente a frente com o nosso redentor: “Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte nem em Jerusalém adorareis o Pai. Vós adorais o que não sabeis; nós adoramos o que sabemos porque a salvação vem dos judeus. Mas a hora vem, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão o Pai em espírito e em verdade; porque o Pai procura a tais que assim o adorem. Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” (v. 21-24)


Não percamos tempo, pois para adorá-lo face a face, será necessário que nossa adoração aqui na terra seja em espírito e em verdade. Não desvie o caminho, mostre que você é um cristão verdadeiro, um imitador daquele que não desviou seu caminho, mas anunciou o Pai em terra hostil.



2 visualizações0 comentário